sábado, 20 de maio de 2017

Franceses investigam compra de votos na escolha do Rio como sede da Olimpíada

Parque Olímpico foi construído pela Odebrecht Foto: Carlos Eduardo Cardoso|Agência O Dia

Procuradores do Ministério Público Financeiro da França estão em Brasília para investigar, em parceria com colegas brasileiros, suposto esquema de compra de votos de membros do Comitê Olímpico Internacional (COI) para a realização dos Jogos Olímpicos no Rio em 2016. A suspeita é de que delegados da organização tenham recebido propina em troca do voto favorável na disputa com Madri, Tóquio e Chicago pelo direito de organizar a competição no Rio.
A suspeita de que houve pagamento ilegal para a compra de votos de delegados do COI para a organização da Rio-2016 e de Tóquio-2020 vem sendo investigada pelo Ministério Público Financeiro de Paris, que já encontrou indícios concordantes de corrupção em ambos os casos. Segundo as investigações, três dias antes da sessão do COI que definiria a cidade-sede dos Jogos Olímpicos de 2016, realizada em outubro de 2009, em Copenhague, na Dinamarca, duas transferências que totalizaram US$ 2 milhões (R$ 6,3 milhões pela cotação atual) foram realizadas pela Matlock Capital Group, empresa com sede em Miami (EUA) e de propriedade do empresário brasileiro Arthur Cesar de Menezes Soares Filho, em favor de membros da família do então presidente da Federação Internacional de Atletismo (IAAF) e membro do COI, Lamine Diack.
Nessa época, o Grupo Facility, de Arthur Soares, tinha contratos de prestação de serviços da ordem de R$ 3 bilhões firmados com o governo do Rio, sob gestão de Sergio Cabral.
Os depósitos foram realizados pela Matlock em dois momentos: um primeiro de US$ 1,5 milhão (R$ 4,7 milhões) em 29 de setembro de 2009, em favor da empresa Pamodzi Consulting, de propriedade de Papa Massata Diack, filho de Lamine Diack. Uma segunda transferência, de US$ 500 mil (R$ 1,5 milhão), também proveniente da mesma empresa, beneficiou uma conta de Papa Diack na Rússia. Segundo o MP Financeiro da França, o voto de Lamine Diack em favor do Rio seria crucial para obter a adesão de dirigentes africanos, que votam em bloco nas sessões do COI.
A investigação do MP apura os vínculos entre Arthur Soares e Sérgio Cabral e a existência de um pacto de corrupção em torno dos Jogos de 2016, que envolveria as obras públicas com as quais o governo brasileiro se comprometeu junto ao COI.
Um dos focos de suspeita dos investigadores é se houve vínculos entre empreiteiras que se beneficiaram dos projetos de infraestrutura para a Rio-2016 e a suposta compra de votos. Mesmo depois de um primeiro desenho do parque olímpico ter sido fechado entre os técnicos do COI e da Rio-2016, a construtora Odebrecht, por exemplo, pediu mudanças nas instalações.
Uma vez vencida a disputa em Copenhague, empreiteiras brasileiras ficaram com grande parte dos contratos dos Jogos, alguns deles sem licitações e sem concorrência. À Odebrecht restaram obras como o Porto Maravilha e a Linha 4 do Metrô, além da Vila dos Atletas e o Parque Olímpico e outras instalações e estruturas de transporte. Num levantamento feito pelos investigadores, constatou-se que, dos R$ 38 bilhões previstos no orçamento original dos Jogos do Rio, a empresa, que está no epicentro da operação Lava Jato, ficou com contratos avaliados em R$ 26 bilhões.
Em nota, a construtora optou por não entrar em detalhes. “A Odebrecht não se manifesta sobre eventuais investigações e reafirma que vem cooperando com autoridades brasileiras e estrangeiras. A empresa está comprometida a combater e não tolerar a corrupção em quaisquer de suas formas.”

terça-feira, 18 de abril de 2017

Ex-prefeito Paes levou R$ 15 mi em propina pela Rio 2016, diz Odebrecht



O ex-prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, teria recebido R$ 15 milhões em propina por facilitação de contratos relativos aos Jogos Olímpicos e Paralímpicos do ano passado. Ele foi citado em delação premiada de Benedicto Barbosa da Silva Júnior, homem forte do Departamento de Propinas da Odebrecht. A informação foi relevada pelo jornal O Estado de São Paulo 


"Dessa quantia, R$ 11 milhões foram repassados no Brasil e outros R$ 5 milhões por meio de contas no exterior. O colaborador apresenta documentos que, em tese, corroboram essas informações prestadas, havendo, em seus relatos, menção a Leonel Brizola Neto e Cristiane Brasil como possíveis destinatários dos valores", relatou o ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF) em decisão de 4 de abril que mandou investigar Eduardo Paes.



O ex-prefeito também foi delatado pelos executivos da Odebrecht Leandro Andrade Azevedo e Luiz Eduardo da Rocha Soares. Segundo o primeiro, Paes também teria negociado repasse de R$ 3 milhões da Odebrecht para a campanha a deputado federal de Pedro Paulo (PMDB) em 2010. 


"Essas somas seriam da ordem de R$ 3 milhões, tendo a transação sido facilitada por Eduardo Paes, ex-prefeito do município do Rio de Janeiro, por meio de contato com o diretor Benedicto Júnior. Afirma-se, nesse contexto, que, no sistema 'Drousys', há referência a diversos pagamentos a "Nervosinho", suposto apelido de Eduardo Paes", narra Fachin na decisão que mandou investigar os peemedebistas. 



Em anexos aos termos de declaração, segundo o ministro do Supremo, Leandro Andrade Azevedo apresenta as planilhas de que constariam os pagamentos e e-mails em que reuniões teriam sido agendas e solicitações de pagamentos foram feitas. 



Dois anos antes, em 2014, Pedro Paulo teria recebido R$ 300 mil, 'de maneira oculta, para a campanha à prefeitura', segundo Benedicto Júnior. O pedido foi intermediado por Eduardo Paes e haveria registro no Sistema "Drousys" de pagamentos a "Nervosinho".


https://esportes.terra.com.br/

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

Equipe de refugiados da Rio 2016 conquista prêmio esportivo Laureus


MÔNACO (Reuters) - Uma equipe de refugiados que competiu na Olimpíada do Rio de Janeiro de 2016 com 10 atletas de países como Síria e Sudão do Sul recebeu nesta segunda-feira o Prêmio Laureus de inspiração esportiva.
"Este prêmio é para as 65,4 milhões de pessoas deslocadas globalmente, que não podem ir para suas casas por causa de conflitos", disse a corredora de longa distância queniana Tegla Loroupe, chefe da missão do time, em uma coletiva de imprensa realizada em Mônaco.
"Cada uma das 10 pessoas inspiradoras de nossa equipe triunfou sobre a adversidade e suportou jornadas inimagináveis para alcançar a linha de chegada."
Escolhida a dedo, a equipe de refugiados de Síria, Congo, Etiópia e Sudão do Sul foi um dos destaques dos Jogos, participando de competições de atletismo, natação e judô.
Um dos que compareceu à entrevista coletiva de segunda-feira foi o nadador sírio Rami Anis, que realizou a arriscada travessia marítima da Turquia à Grécia depois de fugir de sua cidade-natal de Aleppo e foi parar na Bélgica.
"O esporte dá uma chance a todos, e o que aconteceu na Olimpíada do Rio mostrou a pessoas de todo o mundo que têm problemas e medo em suas vidas que há esperança", disse ele em um comunicado do prêmio.
O Comitê Olímpico Internacional (COI) ainda não decidiu se irá enviar outra equipe de refugiados aos Jogos de Tóquio de 2020.

(Por Alan Baldwin em Londres)



Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...